• LANÇAMENTO DO LIVRO “TERCEIRIZAÇÃO, UMA ABORDAGEM ESTRATÉGICA” REÚNE CONVIDADOS EM NOITE DE AUTÓGRAFOS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • HIGIEXPO 2017
  • Download Cartilha sobre Lei 13.429/2017
  • Banner Homenagem Relator
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • Site Fenaserhtt de cara nova
  • LEI13467
  • comunicado_vander
  • Palestra Explicativa sobre a Medida Provisória nº 783/2017
  • fórum cebrasse
  • Vander Morales representa Brasil em palestra no Uruguai
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Pl 4302 1998 Agora E Lei 13429 2017
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • Conferência Internacional do Setor de Serviços Brasil-Portugal
  • 26anos Novo

14/07/2017 | Setor de serviços perde força e fica estável em maio, indica IBGE – Folha de S. Paulo

O setor de serviços brasileiro reduziu com força o ritmo de crescimento em maio, ficando praticamente estável e abaixo do esperado, em meio à intensa crise política que afeta o governo do presidente Michel Temer.

 

O volume de serviços registrou alta de 0,1% em maio sobre o mês anterior, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quinta-feira (13). A expectativa em pesquisa da Reuters era de alta de 0,5%.

 

Em abril, o crescimento foi de 1% na comparação com março.

 

Sobre maio de 2016, o volume de serviços teve queda de 1,9%, contra expectativa de baixa de 1,6%. Entretanto, esse foi o menor recuo desde abril de 2015.

Segundo o IBGE, o destaque no mês foram outros serviços, com aumento de 6,2%, seguidos pela alta de 2,4% de serviços profissionais, administrativos e complementares, puxados pelas áreas jurídicas e publicitárias.

 

Na outra ponta, os setores de serviços de informação e comunicação e o de transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio, terminaram maio com quedas respectivamente de 0,3% e 0,2%.

 

Já o agregado especial das atividades turísticas teve retração de 2,6% na comparação mensal, segunda queda consecutiva.

 

O setor de serviços está sofrendo com a elevada taxa de desemprego, que afeta diretamente a renda da população, mesmo com o cenário de inflação cada vez mais fraca e juros em queda.

 

O cenário macroecônomico também foi afetado, a partir de meados de maio, pela forte crise política desencadeada após delações de executivos do grupo J&F que levaram à denúncia por crime de corrupção passiva contra Temer.

 

O indicador de confiança do setor de serviços apurado pela FGV (Fundação Getulio Vargas) mostrou em junho a maior queda em um ano e nove meses, indicando que a atividade do setor permanecerá fraca.

 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02