• Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • LANÇAMENTO DO LIVRO “TERCEIRIZAÇÃO, UMA ABORDAGEM ESTRATÉGICA” REÚNE CONVIDADOS EM NOITE DE AUTÓGRAFOS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • HIGIEXPO 2017
  • Download Cartilha sobre Lei 13.429/2017
  • Banner Homenagem Relator
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • LEI13467
  • comunicado_vander
  • Palestra Explicativa sobre a Medida Provisória nº 783/2017
  • fórum cebrasse
  • Vander Morales representa Brasil em palestra no Uruguai
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Pl 4302 1998 Agora E Lei 13429 2017
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

10/07/2017 | Senado mantém votação da reforma trabalhista - Valor Econômico

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), disse ontem que está mantida para amanhã, a partir das 11 horas, a votação em plenário da reforma trabalhista, apesar da crise entre governo o governo e o PSDB - os dois principais fiadores do texto que altera mais de cem artigos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). 

Embora haja percepção de que o projeto vem perdendo apoio perto da data da votação e que o quadro hoje é de vitória apertada, o governo crê que conseguirá com uma certa folga os 41 votos necessários para assegurar a aprovação da reforma, caso todos os senadores compareçam à sessão de terça-feira. Aprovado pela Câmara no fim de abril, o texto  precisa dos votos da maioria dos presentes para ir a sanção presidencial. Levantamento feito pelo governo aponta que, até sexta-feira, 42 senadores haviam assegurado voto em favor do projeto. Outros 31 votariam contra, pelas projeções do Palácio do Planalto. A expectativa era a de que a maioria votaria dos restantes, apontados como indecisos, votaria a favor do texto. Com isso, o governo que a reforma seja aprovada com entre 48 e 50 votos. Dentre os que constam como indecisos no levantamento, está o senador Magno Malta (PR-ES), que já disse que gostaria de ver ao menos o texto da medida provisória que o presidente Michel Temer prometeu editar, em acerto com o PSDB, para atenuar ou fazer reparos a alguns pontos da reforma aprovada pelos deputados. Entre esses pontos, estão o chamado trabalho intermitente, em que o trabalhador é contratado por hora, e o emprego de gestantes e mulheres que amamentam em locais insalubres.

Senadores como Simone Tebet (PMDB-MS), que constam como voto certo a favor do texto no levantamento obtido pelo Valor, já manifestaram o desejo de ver o texto da MP antes da votação. 

O governo quer que o projeto passe pelo Senado sem alterações, a fim de evitar que ele retorne à Câmara. Para isso, costurou um acordo com líderes da base, dentre tucanos como Ricardo Ferraço (PSDB-ES), relator em duas comissões no Senado, para que editasse uma MP a fim de fazer as mudanças desejadas pelos senadores. 

As recentes manifestações de líderes do PSDB por um desembarque do governo colocaram em dúvida esse acordo. Mas, segundo o Valor apurou, Temer e Jucá continuam conversando a respeito dos termos da medida provisória. 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02