• Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • LANÇAMENTO DO LIVRO “TERCEIRIZAÇÃO, UMA ABORDAGEM ESTRATÉGICA” REÚNE CONVIDADOS EM NOITE DE AUTÓGRAFOS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • HIGIEXPO 2017
  • Download Cartilha sobre Lei 13.429/2017
  • Banner Homenagem Relator
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • LEI13467
  • comunicado_vander
  • Palestra Explicativa sobre a Medida Provisória nº 783/2017
  • fórum cebrasse
  • Vander Morales representa Brasil em palestra no Uruguai
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Pl 4302 1998 Agora E Lei 13429 2017
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

28/06/2017 | Tribunais admitem arbitragem trabalhista para executivos - Valor Econômico

Recentes decisões de Tribunais Regionais do Trabalho (TRTs) consideram válido o uso da arbitragem trabalhista como meio alternativo para a resolução de conflitos com funcionários do alto escalão. Uma delas foi proferida pelo TRT do Rio de Janeiro (1ª Região). Os desembargadores mantiveram a obrigatoriedade do uso da via arbitral em processo envolvendo um ex-executivo do BTG Pactual para tratar de acordo de não concorrência após sua saída da instituição financeira.

Há decisões semelhantes em pelo menos dois outros regionais - Minas Gerais e Bahia. O posicionamento segue no mesmo sentido do que prevê a Reforma Trabalhista, aprovada na Câmara e em tramitação no Senado. O texto prevê que funcionários com salários acima de R$ 11 mil poderão incluir em seus contratos o uso da arbitragem como meio de solução de conflitos trabalhistas. Porém, a tendência do Tribunal Superior do Trabalho (TST) é de rejeição à utilização do método.

No caso analisado no TRT do Rio, os desembargadores foram unânimes ao entender que a Justiça não tem competência para atuar porque houve a definição de que o assunto seria definido em juízo arbitral.

De acordo com os desembargadores, o principal motivo para se rejeitar o uso da arbitragem trabalhista seria o fato de os trabalhadores serem hipossuficientes (mais fracos na relação de trabalho). Porém, no processo, entenderam que não se trata de um trabalhador desprotegido, "eis que o autor era um alto executivo do banco réu, verdadeiro alter ego e detentor de expertise e brain-power financeiro, com vultosos ganhos mensais e vasto conhecimento na área, razão pela qual não se vislumbra qualquer hipossuficiência/vulnerabilidade por parte dele, mas sim sua paridade com a parte adversa".

O relator, desembargador Enoque Ribeiro dos Santos, citou na decisão alguns precedentes no mesmo sentido dos regionais de Minas e Bahia. Segundo sua decisão, "o próprio TST, ainda que timidamente, já vem admitindo a arbitragem nos casos em que não se vislumbra esta hipossuficiência, deixando claro que tal indisponibilidade/irrenunciabilidade não é absoluta".

O magistrado destaca ainda na decisão que países como a Alemanha, Espanha, França, Austrália, Nova Zelândia, México, Chile, Argentina e Uruguai já vêm prestigiando e adotando a arbitragem trabalhista.

Para o advogado do BTG no processo, Marcello Della Mônica, do Demarest Advogados, a decisão é sui generis na Justiça do Trabalho, que tende a entender pela nulidade de inclusão da cláusula arbitral. "A Justiça em geral entende que o funcionário é sempre a parte mais fraca da relação e que seus direitos seriam indisponíveis", diz. Porém, acrescenta, essa visão seria ultrapassada. "O empregado de hoje não é mais o de 20 ou 30 anos atrás. Ele é politizado e conhece seus direitos."

A decisão do TRT do Rio, na opinião do advogado, abre caminho para que a Justiça passe a aceitar soluções alternativas de conflitos e transações trabalhistas, pelo menos nos casos que envolvem altos executivos.

Segundo Caroline Marchi, sócia do Machado Meyer Advogados, apesar dessas decisões serem raras, estão de acordo com o que prevê a Reforma Trabalhista. "Não dá para falar que todo trabalhador é hipossuficiente. Temos que tratar de forma desigual os desiguais para chegar a uma igualdade", afirma.

A advogada diz que é comum as empresas darem diversos benefícios aos executivos e, que nesses casos, exista a inclusão de cláusulas arbitrais nos contratos. "Depois esse executivo sai da companhia e vai à Justiça dizendo que não tinha condições de fazer essa negociação. Na minha opinião, isso em alguns casos é até litigância de má-fé", afirma. Para Caroline, a decisão do Rio está muito bem fundamentada e pode servir de caminho para que o TST reconsidere seu posicionamento.

Adriana Braghetta, sócia da área de arbitragem do escritório L.O. Baptista Advogados, reforça que a decisão é interessante por fazer a distinção entre altos executivos e funcionários hipossuficientes. "São funcionários de altíssimo nível que muitas vezes preferem resolver seus conflitos por meio da arbitragem porque a decisão não é acessível como no Judiciário", diz. Ela destaca que em poucos casos a arbitragem foi questionada na Justiça por executivos.

Procurado pelo Valor, o advogado do ex-executivo do BTG Pactual não deu retorno até o fechamento da edição.

 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02