• REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • Jornal Fenaserhtt
  • Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • comunicado_vander
  • fórum cebrasse
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

07/06/2017 | Produção de veículos do Brasil sobe 25% em maio ante abril - Folha de S.Paulo

A indústria brasileira de veículos teve alta de 25,1% na produção em maio ante abril, para 237,1 mil carros, comerciais leves, caminhões e ônibus, informou a associação de montadoras, Anfavea, nesta terça-feira (6).

Na comparação com maio de 2016, a produção foi 33,8% maior, acumulando nos cinco primeiros meses do ano crescimento de 23,4% no volume produzido sobre um ano antes, para 1,037 milhão de unidades.

As vendas de veículos novos totalizaram 195,6 mil unidades em maio, elevação de 24,6% sobre abril e de 16,8% ante maio de 2016, segundo a associação. Desde janeiro, foram comercializadas 824,49 mil unidades, acréscimo de 1,6% na comparação com os cinco primeiros meses do ano passado.

"O acumulado de janeiro a maio teve crescimento modesto, mas em linha com a expectativa de estabilização", ressaltou o presidente da entidade, Antonio Megale.

Megale disse que a Anfavea mantém suas previsões para 2017 e aguarda acontecimentos das próximas semanas para avaliar eventual revisão. No caso específico da produção e exportação, disse que o viés é positivo, "mas que aguarda maior clareza no quadro político para revisar previsões para 2017".

Por ora, a Anfavea prevê crescimento de 11,9% na produção total de veículos do país neste ano em relação a 2016, bem como alta de 4% nas vendas totais e de 7,2% nas exportações totais.

"A Anfavea defende que se resolva a crise o mais rápido possível, qualquer que seja a decisão. Queremos no comando alguém comprometido com as reformas trabalhista e tributária, que são fundamentais para o mínimo de estabilidade", destacou Megale.

EXPORTAÇÕES

As exportações de autoveículos, máquinas agrícolas e rodoviárias em maio cresceram 19,9% ante abril, somando R$ 1,47 bilhão, informou a Anfavea. Na comparação com maio de 2016, as exportações tiveram alta de 56,9%.

"Esperávamos que as exportações fossem positivas, mas estão superando as expectativas", disse Megale.

No acumulado dos cinco primeiros meses deste ano, as exportações de autoveículos e máquinas agrícolas e rodoviárias atingiram R$ 6,04 bilhões, superando em 52,7% o desempenho de janeiro a maio de 2016.

As vendas internas de máquinas agrícolas totalizaram 4.100 unidades em maio, alta de 17,6% sobre abril e de 16,4% na comparação com o mesmo mês do ano anterior.

De janeiro a maio, foram vendidas 17,3 mil máquinas agrícolas, um número 28,7% maior em relação aos cinco primeiros meses de 2016.

No segmento de agronegócios, a Anfavea espera um resultado ainda melhor no segundo semestre. "As empresas se preparam para atender uma demanda possivelmente mais forte nos próximos meses com o novo Plano Safra", disse Megale. O anúncio do novo Plano Safra está previsto para quarta-feira.

ARGENTINA

A Argentina ainda é o grande parceiro comercial da indústria automotiva do Brasil, mas seu percentual de participação nas exportações brasileiras está diminuindo neste ano porque outros países vizinhos estão comprando mais veículos, disse Megale.

Ele afirmou que o mercado interno argentino sinaliza uma demanda "bastante expressiva" de 800 mil a 900 mil unidades em 2017, mas destacou que Chile e Colômbia, por exemplo, aumentaram muito as compras.

"Só para o Chile as exportações aumentaram mais de 200 por cento (no acumulado de janeiro a maio)", ressaltou. Ele atribui o crescimento ao câmbio favorável e também ao Inovar Auto, que "trouxe melhora técnica em produtos fabricados no Brasil".

No caso do mercado colombiano, o presidente da Anfavea observou que a indústria brasileira atualmente responde por 6% a 7% da demanda por veículos, mas tem potencial de elevar essa participação para 15% a 20%. "Só dependemos da assinatura do acordo (automotivo) por parte dos colombianos. É uma questão burocrática", afirmou Megale.

No acumulado deste ano, as exportações de veículos para Colômbia acumulam alta de 63%, de acordo com ele. 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02