• Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • LANÇAMENTO DO LIVRO “TERCEIRIZAÇÃO, UMA ABORDAGEM ESTRATÉGICA” REÚNE CONVIDADOS EM NOITE DE AUTÓGRAFOS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • HIGIEXPO 2017
  • Download Cartilha sobre Lei 13.429/2017
  • Banner Homenagem Relator
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • LEI13467
  • comunicado_vander
  • Palestra Explicativa sobre a Medida Provisória nº 783/2017
  • fórum cebrasse
  • Vander Morales representa Brasil em palestra no Uruguai
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Pl 4302 1998 Agora E Lei 13429 2017
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

31/05/2017 | Taxa de desemprego no Brasil chega a 13,6%, segundo IBGE - Folha de S. Paulo

NICOLA PAMPLONA

A taxa de desemprego no país foi de 13,6% no trimestre encerrado em abril, informou o IBGE na manhã desta quarta-feira (31). De acordo com o instituto, o desemprego atinge 14 milhões de brasileiros.

Foi a pior taxa de desemprego para o período desde o início da série histórica da pesquisa, em 2012. Representa uma alta de 1 ponto percentual com relação ao trimestre encerrado em janeiro, quando a taxa observada foi de 12,6%. No trimestre encerrado em abril de 2016, a taxa estava em 11,2%.

Isso significa que, em um ano, mais 2,6 milhões de pessoas passaram a procurar trabalho no país. Na comparação com o trimestre encerrado em janeiro, foram 1,1 milhão de pessoas a mais procurando emprego.

"O primeiro resultado que essa pesquisa mostra é a queda no contingente de pessoas ocupadas, o que reflete em aumento no número de pessoas procurando emprego", disse o economista do IBGE Cimar Azeredo.

Ele ressalta que o aumento na desocupação mostra sinais de desaceleração, mas ainda é muito grande. "Podem ser sinais de que a procura por emprego está reduzindo", afirmou Azeredo, que preferiu ter cautela ao falar sobre uma possível recuperação.

"Ainda estamos vivendo uma crise política e quaisquer sinais externos podem afetar o emprego", disse.

Na indústria, por exemplo, houve aumento no número de pessoas ocupadas, que chegou a 11,476 milhões de pessoas, alta de 1,8% (ou 204 mil pessoas) com relação ao trimestre anterior.

Houve grande queda, porém, nos setores de construção (-4,1%) e agricultura (-2,4%).

No trimestre, houve recorde negativo no número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado, que chegou a 33,286 milhões de pessoas, 572 mil a menos do que no trimestre anterior.

O rendimento trabalhador ficou estável, diz o IBGE, tanto na comparação com trimestre anterior quanto com o mesmo trimestre de 2016, em R$ 2.107.

Os dados constam da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua), o levantamento oficial de emprego do instituto. O indicador é calculado por trimestre. Na divulgação desta quarta, refere-se ao período entre fevereiro e abril de 2017.

 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02