• REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • Jornal Fenaserhtt
  • Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • comunicado_vander
  • fórum cebrasse
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

23/05/2017 | Mercado torce por continuidade de reformas - Valor Econômico

Michel Temer é o presidente da República até decisão em contrário. O "candidato" preferencial de profissionais do mercado financeiro é Henrique Meirelles, ministro da Fazenda e ex-presidente do Banco Central durante os dois mandatos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010). A preferência por Meirelles tem sobretudo o seu comprometimento com as reformas estruturais como justificativa.

O Valor consultou seis profissionais. Um deles, gestor de investimentos, vê torcida pela saída de Michel Temer do governo por considerar que a permanência do presidente - que ocupa o cargo há um ano - tenderia a fazer um governo fraco, sem força para aprovar a reforma da Previdência. "Ele saindo, teríamos um novo presidente da República e, para ter governabilidade, a base aliada tenderia a ser mais coesa [condição que viabilizaria a aprovação das reformas]", afirma.

Questionado sobre um "candidato" alternativo ao atual ministro da Fazenda, o experiente gestor citou: "Tasso Jereissati, Pedro Parente, Nelson Jobim". A respeito de Jobim, esse interlocutor lembrou que "ele tem a questão do BTG". 

Nelson Jobim, ex-ministro da Defesa e da Justiça e ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), tornou-se sócio do banco BTG Pactual e membro do conselho de administração do banco em meados de 2016. 

Outros dois profissionais, também da área de gestão de recursos, consultados sobre a perspectiva, a necessidade ou o risco de ocorrer uma mudança na presidência da República em função da saída de Temer, veem Henrique Meirelles como o "sucessor" ideal. Contudo, esses profissionais entendem que não há qualquer garantia que o titular da pasta da Fazenda seria o sucessor.

O quarto entrevistado, vice-presidente de uma instituição com importante presença no mercado de derivativos, diz: "Não tem torcida para Michel Temer cair. Tem torcida sim para uma solução e que as coisas voltem a andar. O desejo é que a agenda de reformas seja mantida. Não fosse isso, ninguém estaria nem aí...", afirma. 

Esse profissional acrescenta que o mercado não torce pela saída de Temer, principalmente, depois da informação de que os áudios foram adulterados. "Se for necessário que Temer deixe a presidência, que seja. Esse me parece ser o sentimento do mercado". 

Uma quinta fonte, quando questionada se há torcida para a saída de Temer, lembrou que seria necessário fazer uma pesquisa de opinião para afirmar que a maioria dos profissionais do mercado financeiro tem essa posição. "O que mercado está fazendo é esperar", afirma. 

Esse mesmo interlocutor comenta que não dá para prever se o atual ministro da Fazenda seria um candidato ao posto. "Não se sabe qual saída está sendo costurada para essa crise. O medo do 'Fica Temer' é parar de vez a agenda de reformas... o barco estaria no rumo certo, mas parado." 

O tesoureiro de um banco nacional avalia que o Congresso tem duas opções e ambas seriam boas para o mercado: "Seguir com as reformas mesmo com um Temer fraco ou fazer a eleição indireta com um nome de credibilidade e sem envolvimento com Lava-Jato e afins." 

Em tempo: não se deve desprezar que existem otimistas, que não torcem nem para A nem para B no comando da República, e veem que o momento é uma boa oportunidade para a compra de alguns ativos financeiros. Além disso, avalia esse grupo, a queda da inflação e do juro vai continuar, mesmo que em ritmo mais lento, fora que o impacto da crise sobre o crescimento econômico tem viés desinflacionário e, portanto, absorve algum impacto da alta do dólar nos preços.

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02