• Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • LANÇAMENTO DO LIVRO “TERCEIRIZAÇÃO, UMA ABORDAGEM ESTRATÉGICA” REÚNE CONVIDADOS EM NOITE DE AUTÓGRAFOS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • HIGIEXPO 2017
  • Download Cartilha sobre Lei 13.429/2017
  • Banner Homenagem Relator
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • LEI13467
  • comunicado_vander
  • Palestra Explicativa sobre a Medida Provisória nº 783/2017
  • fórum cebrasse
  • Vander Morales representa Brasil em palestra no Uruguai
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Pl 4302 1998 Agora E Lei 13429 2017
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

07/05/2017 | “Sem proteção da lei, só restará apelar à Justiça” - O Estado de S.Paulo

Claudio Dedecca, professor da Unicamp, critica imoralidade

A reforma trabalhista vai gerar empregos?

Não. O emprego só aumenta quando a economia do País tem crescimento. A redução do custo do trabalho, único objetivo dessa reforma, não é suficiente para gerar empregos. O custo do trabalhador não é a causa da baixa competitividade e produtividade da economia brasileira. As razões são mais complexas. A explicação do dinamismo da China não é o baixo custo do trabalhador, mas sua estratégia de inserção internacional, com investimentos em tecnologia e escala de produção.

Serão reduzidos os litígios e disputas judiciais?

Não. Historicamente, os acordos coletivos fechados no Brasil são ruins e se limitam às negociações sobre reajuste anual. Sem proteção da lei e dos sindicatos, só restará apelar à Justiça do Trabalho, que será ainda mais demandada, sendo a última instância de proteção do trabalhador. Mesmo que tentem acabar com a Justiça do Trabalho, o que é muito improvável, esses litígios serão julgados pela Justiça Comum, como ocorre nos países onde não há essa instância.

O trabalho intermitente é um avanço?

Não. Estudos mostram que o trabalhador que tem emprego intermitente abandona a função assim que encontra um emprego melhor. Trata-se de uma insanidade para o trabalhador, principalmente para setores que possuem horários de pico, como transporte urbano e supermercados.

 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02