• LANÇAMENTO DO LIVRO “TERCEIRIZAÇÃO, UMA ABORDAGEM ESTRATÉGICA” REÚNE CONVIDADOS EM NOITE DE AUTÓGRAFOS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • HIGIEXPO 2017
  • Download Cartilha sobre Lei 13.429/2017
  • Banner Homenagem Relator
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • Site Fenaserhtt de cara nova
  • LEI13467
  • comunicado_vander
  • Palestra Explicativa sobre a Medida Provisória nº 783/2017
  • fórum cebrasse
  • Vander Morales representa Brasil em palestra no Uruguai
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Pl 4302 1998 Agora E Lei 13429 2017
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • Conferência Internacional do Setor de Serviços Brasil-Portugal
  • 26anos Novo

23/08/2017 | Fiesp e centrais sindicais discutem proposta para ampliar seguro-desemprego – O Estado de S.Paulo

Centrais sindicais e entidades patronais estiveram reunidas nesta terça-feira, 22, na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) para alinhar uma pauta conjunta a ser apresentada em audiência marcada para o dia 12 de setembro com o presidente Michel Temer (PMDB). O objetivo foi discutir propostas para a recuperação da economia, dos empregos e da renda, o que inclui a retomada das obras de infraestrutura, simplificação tributária e facilitação das exportações.

Uma das alternativas discutidas e que devem ser levadas a Temer é a ampliação em dois meses do prazo do pagamento de seguro-desemprego a desempregados, o que, apesar da grave situação fiscal do País, foi citada como medida de incentivo ao consumo.

 

João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da Força Sindical, saiu da reunião defendendo a leniência de empreiteiras enredadas pela operação Lava Jato, de forma a permitir a volta de obras que estão paradas por conta das dificuldades financeiras ou de financiamento das construtoras. "Fechar as empresas é prejudicar os trabalhadores", comentou Juruna, acrescentando que construtoras como a Odebrecht devem assumir suas dívidas, demitir diretores envolvidos em fraude, mas não interromper as operações.

Mais tarde, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, disse que a ideia de destravar as obras foi debatida entre os pontos emergenciais à recuperação econômica, mas negou que os participantes da reunião tenham discutido o perdão a grupos que se envolveram em corrupção.

 

"Não fizemos aqui nenhuma análise e nem caberia a nós fazer análise sobre a Lava Jato. O fato é que onde há obra parada tem que retomar essa obra", afirmou Skaf. "Quando você tem uma obra parada ela vai se deteriorando. Quando tem que retomá-la, você tem que gastar quase tudo de novo para retomar o que perdeu. Você deixa de empregar e gerar o resultado dessa obra para a sociedade."

 

O presidente da Fiesp confirmou, porém, a ideia de propor a Temer a ampliação de cinco para sete meses do prazo de seguro-desemprego como saída para ajudar o País a retomar no curto prazo o caminho do crescimento.

Segundo Juruna, da Força Sindical, embora o governo enfrente uma situação fiscal critica, o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) deve ser usado em apoio aos desempregados em momentos de crise como o atual.

 

A audiência das entidades patronais e sindicais com Temer no Palácio do Planalto deve acontecer às 11h30 do próximo dia 12, após a volta do presidente da viagem oficial à China. Na reunião de hoje na Fiesp, participaram, além da Força Sindical e empresários, representantes da UGT, Nova Central, CTB e CSB. A CUT não teve representantes no encontro. 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02