• FENASERHTT E SINDEPRESTEM comemoram mudança na cobrança de PIS e COFINS no Trabalho Temporário
  • Contratação de empresa de Trabalho Temporário gera crédito de PIS E COFINS - Posicionamento Receita Federal
  • REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • Jornal Fenaserhtt
  • Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • comunicado_vander
  • fórum cebrasse
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

01/08/2017 | Produção industrial fica estável em junho e avança 0,5% no ano - O Estado de S.Paulo

A produção industrial ficou estável em junho ante maio, na série com ajuste sazonal, divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado veio dentro do intervalo das expectativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam desde uma queda de 0,9% a uma expansão de 0,4%, com mediana negativa de 0,3%.

Em relação a junho de 2016, a produção subiu 0,5%, melhor do que a mediana negativa de 0,20% projetada, mas dentro do intervalo das estimativas, de um recuo de 2,33% a aumento de 1,30%.

No ano, a indústria contabiliza avanço de 0,5%. Já no acumulado em 12 meses, a produção da industrial acumula queda de 1,9%.

A produção da indústria de bens de capital subiu 0,3% em junho ante maio, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na comparação com junho de 2016, o indicador mostrou avanço também de 0,3%. Os dados fazem parte da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física (PIM-PF).

No ano, houve crescimento de 2,9% na produção de bens de capital. No acumulado em 12 meses, a taxa ficou positiva em 1,0%.

Em relação aos bens de consumo, a pesquisa registrou queda de 1,1% na passagem de maio para junho. Na comparação com junho de 2016, houve redução de 0,6%. No ano, a produção de bens de consumo subiu 0,9%. No acumulado em 12 meses, entretanto, houve redução de 2,1%.

Na categoria de bens de consumo duráveis, o mês de junho foi de queda de 6,0% ante maio, mas alta de 5,0% em relação a junho de 2016. Entre os semiduráveis e os não duráveis, houve redução na produção de 0,5% em junho ante maio, e queda de 1,8% na comparação com junho do ano passado.

Para os bens intermediários, o IBGE informou que o indicador teve ligeira alta de 0,1% em junho ante maio. Em relação a junho do ano passado, houve aumento de 0,9%. No ano, os bens intermediários acumularam queda de 0,1%. Em 12 meses, houve redução de 2,1% na produção. O índice de Média Móvel Trimestral da indústria apontou avanço de 0,8% em junho.

Por segmento. A produção industrial encolheu em 12 dos 24 ramos pesquisados na passagem de maio para junho, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O principal impacto negativo foi de veículos automotores, reboques e carrocerias, com redução de 3,9% na produção, o que devolve parte do avanço de 13,0% acumulado nos meses de abril e maio.

Outras duas atividades que pesaram negativamente sobre o total da indústria foram produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-9,2%) e coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-1,7%). Os farmoquímicos intensificaram a queda de 7,2% verificada no mês anterior, enquanto os derivados de petróleo acumularam uma perda de 4,0% nos dois últimos meses, eliminando assim o avanço de 1,8% observado em abril.

As demais contribuições negativas relevantes foram de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-4,9%), de outros equipamentos de transporte (-6,8%) e de produtos de metal (-2,0%).

Na direção oposta, entre os nove ramos que ampliaram a produção nesse mês, o desempenho de maior importância foi assinalado de produtos alimentícios, com avanço de 4,5%, o segundo resultado positivo consecutivo, acumulando nesse período expansão de 7,8%.

Também tiveram aumentos expressivos as indústrias extrativas (1,3%), máquinas e equipamentos (2,0%) e bebidas (1,7%). As três atividades mostraram também taxas positivas no mês anterior: 0,3%, 2,0% e 1,3%, respectivamente. 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02