• LANÇAMENTO DO LIVRO “TERCEIRIZAÇÃO, UMA ABORDAGEM ESTRATÉGICA” REÚNE CONVIDADOS EM NOITE DE AUTÓGRAFOS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • HIGIEXPO 2017
  • Download Cartilha sobre Lei 13.429/2017
  • Banner Homenagem Relator
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • Site Fenaserhtt de cara nova
  • LEI13467
  • comunicado_vander
  • Palestra Explicativa sobre a Medida Provisória nº 783/2017
  • fórum cebrasse
  • Vander Morales representa Brasil em palestra no Uruguai
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Pl 4302 1998 Agora E Lei 13429 2017
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • Conferência Internacional do Setor de Serviços Brasil-Portugal
  • 26anos Novo

29/07/2017 | Há vagas, sem carteira - Folha de S.Paulo

Editorial

Decorridos quase três anos de deterioração, acumulam-se sinais de que o pior tenha ficado para trás no mercado de trabalho. Os dados mais recentes permitem antever uma lenta queda do desemprego, por ora ainda ancorada em contratos sem carteira assinada.

Segundo o IBGE, a taxa de desocupação caiu a 13% no trimestre concluído em junho, o equivalente a 13,5 milhões de pessoas —700 mil abaixo do recorde de março.

Tal progresso foi motivado, em especial, pelo crescimento do emprego informal e daquele por conta própria (que, em grande parte, se dá em circunstâncias precárias).

As duas modalidades respondem hoje por pouco mais de 33 milhões de vagas, ou 36,7% da população ocupada. De outro lado, o contingente de celetistas, de cifra semelhante, permanece em queda.

Tal dinâmica não chega a ser surpreendente. O trabalho com carteira assinada tende a seguir mais de perto a atividade econômica. A contração do consumo e do investimento, ainda por ser revertida, leva as empresas a demitir, lançando pessoas à informalidade.

Não deixa de ser boa notícia, de todo modo, que o mercado tenha voltado a contratar, mesmo em condições menos favoráveis. Esse é o primeiro passo rumo à recuperação, que, para ser sustentada, ainda depende do restabelecimento da confiança empresarial.

Os números também mostram leve, porém significativo, crescimento da renda. Na comparação com o mesmo período de 2016, o salário médio real (descontada a inflação) cresceu 3%. Ainda é pouco, decerto, e em parte decorrente da redução acentuada da inflação, mas nada desprezível.

Aos indicadores do emprego se somam outras evidências de que a economia encontrou o fundo do poço e começa a ensaiar uma tímida retomada. Depois da alta de 1% do PIB no primeiro trimestre, havia o temor de um novo recuo, reforçado pelo enfraquecimento do governo Michel Temer (PMDB).

Não se vê, ao menos até aqui, uma recaída recessiva. Mesmo com alguma retração na confiança de empresas e consumidores, houve alta das vendas e da produção ao longo do segundo trimestre. O crédito também dá sinais de vida.

Os mercados se mostram resistentes ao noticiário de Brasília. Contribuem para tanto fatores como a queda acentuada da inflação —que reforça a renda dos consumidores e favorece o corte dos juros— e a safra agrícola recorde, que trouxe alento ao interior do país.

Não se trata, porém, da superação da crise. No ambiente de enorme incerteza política, ainda não se vislumbra a volta de investimentos em larga escala, necessários para a queda sensível do desemprego.

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02