• FENASERHTT E SINDEPRESTEM comemoram mudança na cobrança de PIS e COFINS no Trabalho Temporário
  • Contratação de empresa de Trabalho Temporário gera crédito de PIS E COFINS - Posicionamento Receita Federal
  • REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • Jornal Fenaserhtt
  • Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • comunicado_vander
  • fórum cebrasse
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

28/07/2017 | A grande extinção de empregos - O Globo

Coluna Vida Digital - Por Pedro Doria

Ontem, Jeff Bezos, da Amazon, ultrapassou brevemente Bill Gates, da Microsoft, como homem mais rico do mundo. Em terceiro segue Carlos Slim, o bilionário mexicano cujos negócios não nasceram da alta tecnologia. Em suas voltas pelo mundo, Slim tem dito que devemos nos preparar para aguentar o tranco da nova revolução industrial. Não será a primeira vez que o desenvolvimento de tecnologias mudará a natureza do trabalho — profissões vêm nascendo e se extinguindo desde a invenção do arado. Mas pela primeira vez, acredita Slim, o número de empregos criados será menor do que o de extintos. Ele não está sozinho nesta crença. Muita gente no Vale do Silício concorda.

Durante a campanha presidencial, uma das promessas de Donald Trump era trazer de volta fábricas para as terras americanas. O que Trump não disse é que as fábricas de hoje são muito diferentes daquelas que deixaram o país um quarto de século atrás. Cada vez mais automatizadas por robôs. A entrada dos carros autônomos não extinguirá apenas o trabalho de motoristas — de garagistas a entregadores a guardas de trânsito, muitas funções desaparecerão. Robôs manterão casas e prédios limpos — os aspiradores de pó já começam a se popularizar. Algoritmos de inteligência artificial já são capazes de fazer a contabilidade de empresas de médio porte e gerenciar inúmeros problemas de logística. Já há lojas operando sem a necessidade de qualquer um no caixa — o sensor reconhece o cliente, os produtos que pega e abate o valor do cartão sem a necessidade de filas.

Quem tem menos de 50 testemunhará durante sua carreira uma grande extinção de profissões. Não é possível afirmar que Slim esteja certo — que o número de postos extintos será maior do que os criados. Mas é uma possibilidade real.

Numa conversa realizada no início do mês com seu colega George W. Bush, o ex-presidente americano Bill Clinton defendeu a ideia da diminuição da carga de trabalho. Se todos trabalharmos menos horas, haverá mais gente empregada.

Entre 2014 e janeiro último, a segunda maior cidade sueca, Gotemburgo, fez o teste em um dos retiros públicos para idosos. Ao invés de oito horas por dia, os empregados passaram a trabalhar seis. Aumentou-se a equipe para compensar as horas a menos, e os salários permaneceram iguais. Documentaram melhora de saúde, de humor e maior produtividade. Nas contas, os custos para o governo municipal aumentaram em 22%, e houve uma economia de 10%, causada por menos gastos com saúde e seguro-desemprego. No fim, a conclusão é que o aumento tornou a experiência inviável em larga escala.

Em outros casos, os resultados são distintos. Filimundus, uma empresa sueca de software, fez o mesmo teste: manteve os salários diminuindo a carga horária. Viu o aumento de felicidade da equipe, a melhora de saúde, mas não registrou queda de produtividade. Pelo contrário: mais animados, os funcionários produzem o mesmo de antes, e agora com um dia a mais no fim de semana. A natureza do trabalho faz toda diferença. Idosos precisam de gente presente em todas as horas do dia. Escrever software não exige gente no escritório o tempo todo.

De Toyota ao Google, inúmeras empresas vêm testando a diminuição da carga, às vezes abaixando o salário, nem sempre. Mas há outra proposta em estudo: renda mínima, a ideia mais popular em circulação no Vale. Software e hardware aumentarão a produtividade do mundo e, portanto, a riqueza. Talvez parte deste dinheiro devesse ser revertido de volta, garantindo um salário-base mensal para todos nós, humanos. De Gates a Mark Zuckerberg a Bill Clinton, entusiastas da ideia não faltam.

 

 

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02