• REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • Jornal Fenaserhtt
  • Sindeprestem patrocina 37º FÓRUM GERH
  • BRASIL RETOMA POTENCIAL DE INVESTIMENTO COM NOVAS LEIS TRABALHISTAS
  • SETOR DE SERVIÇOS ALERTA CASA CIVIL E MINISTÉRIO DO TRABALHO  PARA INTERFERÊNCIAS NA REFORMA TRABALHISTA
  • FENASERHTT diz ser contra MP da Reforma Trabalhista em Audiência com Ministro Ronaldo Nogueira
  • comunicado_vander
  • fórum cebrasse
  • Wec50anos
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional
  • Benefício Social Familiar
  • 26anos Novo

28/07/2017 | Desemprego vai a 13% e tem 1ª queda desde 2014 com alta da informalidade - Folha de S. Paulo

LUCAS VETTORAZZO

A taxa de desemprego no Brasil registrou, no segundo trimestre, a primeira queda desde o final de 2014.

No trimestre encerrado em junho, o índice ficou em 13%, divulgou o IBGE nesta sexta-feira (28), uma queda de 0,7 ponto percentual sobre os 13,7% registrados no primeiro trimestre.

Os dados fazem parte da Pnad Contínua, a pesquisa oficial de emprego do IBGE, cuja abrangência é nacional.

O total da população desocupada —que são desempregados em busca de oportunidade— somou 13,5 milhões de pessoas, queda de 4,9%. A fila de emprego teve, portanto, uma redução de 690 mil pessoas entre o primeiro e o segundo trimestre.

INFORMALIDADE

Essa queda na taxa de desemprego, porém, ocorreu com o crescimento da informalidade, e não de vagas formais.

"Há mais pessoas sem carteira e por conta própria, que não têm garantias trabalhistas", afirmou o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo.

Enquanto o total de empregados formais permaneceu praticamente estável (recuo de 0,2%) em cerca de 33,3 milhões de trabalhadores, o número de trabalhadores sem carteira assinada cresceu 4,3% e atingiu 10,6 milhões de pessoas.

O trabalho por conta própria também teve alta, de 1,8%, e chegou a 22,5 milhões de pessoas.

O número de empregadores (4,2 milhões de pessoas) também ficou estável.

O total da população ocupada, a que efetivamente ocupa um posto de trabalho no mercado, teve alta de 1,3% e atingiu 90,2 milhões.

De acordo com o IBGE, os grupos nos quais o emprego mais cresceu foram a indústria e os transportes.

HÁ UM ANO

Apesar da melhora, os dados atuais ainda mostram piora no emprego em relação ao verificado há um ano.

A taxa de desemprego do segundo trimestre teve alta de 1,7 ponto percentual em relação a igual período de 2016.

O número total de desempregados registrou alta de 16,4% no intervalo de um ano —1,9 milhão de pessoas ficaram desocupadas no período.

Coffee News

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02