• WORKSHOP E-SOCIAL
  • Sindeprestem participa de evento sobre Reforma Trabalhista no Uruguai
  • Diretoria executiva propõe agenda de encontros presenciais com filiados e associados
  • app do sindeprestem
  • BOLETOS ON-LINE
  • Trabalho Temporário é ferramenta importante contra o desemprego, afirma Vander Morales em fórum
  • 1º Fórum “O futuro do trabalho e o impacto das novas leis no Brasil”
  • No Sindeprestem, Lívio Giosa defendeu protagonismo empresarial e representatividade política do setor de Serviços
  • Novidade na assessoria jurídica do Sindeprestem
  • CONCESSIONÁRIAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS  PODEM TERCEIRIZAR MÃO DE OBRA
  • coffee news mudou para melhor
  • sindeprestem 2018
  • CONTRIBUIÇÃO PATRONAL 2018
  • FENASERHTT E SINDEPRESTEM comemoram mudança na cobrança de PIS e COFINS no Trabalho Temporário
  • Contratação de empresa de Trabalho Temporário gera crédito de PIS E COFINS - Posicionamento Receita Federal
  • REFORMA TRABALHISTA – LEI N. 13.467/17 - Com a Reforma Trabalhista em vigor, atenção para estas orientações
  • DECISÃO FAVORÁVEL : FENASERHTT CONSEGUE EXCLUSÃO DO ISS DA BASE DE CÁLCULO DE PIS/COFINS
  • 2910x450 Banner Bombeiro Civil Cartilha Sindeprestem
  • Sindeprestem Institucional

Boletim 013/2017 | Medida Provisória nº774/17: Mudança na sistemática da desoneração da folha de pagamento

 

 

Prezadas Sindicalizadas, Filiadas e Associadas:

Em 30 de março p.p. foi publicada no Diário Oficial a Medida Provisória n° 774/17, editada pelo Governo Federal para o fim de excluir a maioria dos setores da economia da sistemática da desoneração da folha de pagamento, instituída pela Lei n° 12.546/11.

De acordo com a Medida Provisória em referência, poderão permanecer optando pelo recolhimento da contribuição previdenciária patronal sobre a receita bruta (CPRB) somente as empresas que exercem as seguintes atividades:

(i) Transporte de passageiros rodoviário (classes 4921-3 e 4922-1 da CNAE 2.0), ferroviário (subclasses 4912-4/01 e 4912-4 da CNAE 2.0) e metroferroviário (subclasse 4912-4/03 da CNAE 2.0) – alíquota: 2%;

(ii) Construção civil (grupos 412,432,433 e 439 da CNAE 2.0) e construção de obras de infraestrutura (421, 422,429 e 431 da CNAE 2.0) – alíquota: 4,5%; e

(iii) Jornalística e radiodifusão sonora e de sons e imagens (classes 1811-3, 5811-5, 5812-3, 5813-1, 5822-1, 5823-9, 6010-1, 6021-7 e 6319-4 da CANE 2.0) – alíquota: 1,5%.

As alterações em questão passarão a valer a partir de 1º de julho de 2017 e, portanto, os setores excluídos da sistemática em referência deverão voltar a recolher a contribuição previdenciária patronal à alíquota de 20% sobre a folha de pagamento, nos moldes do art. 22, I e III da Lei n° 8.212/91.

Fonte: Godoi & Zambo Advogados Associados

Mais informações, por favor, entrar em contato com Depto. Jurídico DDG 0800 701 24 49

 

Advogados: Joelma Aparecida de Matos Gonçalves Dantas; Erica Di Paola Souza; Vinicius Cottas Azevedo e Marceli Cristina Rodrigues.

Boletins Jurídicos

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02